Cidade que Queremos promove passeio para descobrir o centro histórico de São Paulo através da Literatura

Trata-se de uma “Jornada de Aprendizagem” cujo objetivo é resgatar uma cidade  onde os fatos históricos foram esquecidos. Escolhemos a literatura como ponto de partida e fizemos uma pesquisa histórica sobre escritores  que viveram e produziram num raio de 1 km da praça da Sé, marco zero de São Paulo. A partir destes fatos, recontamos a história sobre perspectiva da Literatura.

Pateo do Collegio

Possui 25 mil volumes , Entre os materiais raros estão: a primeira edição dos Sermões de Padre Antônio Vieira; coleção de escritos dos jesuítas desde o século XVI (como as cartas originais do Padre José de Anchieta e manuscritos do jesuíta italiano João Antonil); documentos sobre o processo de canonização do Padre José de Anchieta (cujos originais encontram-se no Vaticano). No acervo encontram-se livros cujas capas foram produzidas com canela preta – madeira quadricentenária encontrada durante a demolição do Palácio do Governo em 1953. Alguns dos livros estão em língua portuguesa e em latim. E, ainda, amplo acervo fotográfico sobre o cotidiano do clero brasileiro, de processos de construção de obras jesuítas, de eventos políticos, religiosos e sociais.

1) Encontro no  Monumento no Pateo do Collegio:
cbn_passeioliterario2) Prédio na Praça da Sé, onde funcionava a editora de Monteiro Lobato, ninguém sabia que Monteiro Lobato havia sido escritor durante um ano…

Monteiro Lobato editor

 

“Editar é o que existe de mais sério para um país. Editar significa multiplicar as idéias ao infinito, e transforma-las em sementes soltas ao vento, para que germinem onde quer que caiam”, dizia Monteiro Lobato, convencido da importância do livro na construção e consolidação da cultura de um povo. Mas Lobato também sabia que não bastava publicar. Era preciso levar o livro até o leitor.
Ao comprar a Revista do Brasil, dando início à atividade de editor, contabiliza apenas cinqüenta livrarias em todo o Brasil, oferecendo, em geral, obras mal editadas, mal traduzidas, com capas pouco atraentes.
Para mudar esse quadro, Lobato investe num sistema agressivo e inédito de mala direta e venda por consignação através de agentes autônomos e pequenas empresas espalhadas pelo interior do Brasil. E, acreditando que o livro deve ser tratado como mercadoria, contrata artistas para melhorar sua apresentação, importa maquinário gráfico moderno e faz uma escolha criteriosa de títulos.
As vendas aumentam, os negócios prosperam e suas empresas passam por sucessivas ampliações. No início dos anos 1920, Monteiro Lobato transforma-se no maior e mais ousado editor do país, responsável por uma verdadeira revolução no setor.
cbn_passeioliterario23) Local onde existia a casa onde nasceu o poeta Alvarez de Azevedo, hoje um prédio leva o seu nome: ( fonte Wikipedia)

cbn_passeioliterario3

Filho de Inácio Manuel Álvares de Azevedo e Maria Luísa Mota Azevedo, passou a infância no Rio de Janeiro, onde iniciou seus estudos. Voltou a São Paulo, em 1847, para estudar na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, onde, desde logo, ganhou fama por brilhantes e precoces produções literárias. Destacou-se pela facilidade de aprender línguas e pelo espírito jovial e sentimental.[4]
Continuar lendo

Eu sou Cidadão Paulistano

eu-sou-1-300x297_270x167

Transformar São Paulo em um lugar melhor já deixou de ser um sonho. É uma construção em andamento. Milhares de paulistanos atuam dia a dia para mudar essa cidade. Ações individuais, coletivas, virtuais vão ganhando corpo. São Paulo não é mais apenas a cidade fria dos prédios e dos carros. Bicicletas, pedestres, skates, artistas de rua, eventos ao ar livre, grafites, hortas urbanas, feiras orgânicas vão colorindo o cinza. Ainda falta muito, mas a transformação já começou. E se ainda não começou, pode ser iniciada agora.

Eu sou cidadão paulistano! Eu reciclo lixo. Eu dou carona. Eu respeito o ciclista. Eu economizo água. Eu acompanho o trabalho dos vereadores. Cada um faz a sua parte e a cidade fica cada vez melhor. Eu sou cidadão paulistano! é o movimento que a CBN lança ao lado da Rede Nossa São Paulo no mês do aniversário de 459 anos da cidade. A ideia veio de um cidadão paulistano, Oded Grajew, um incansável transformador de São Paulo. A partir do dia 14 vamos iniciar uma série de entrevistas com esses cidadãos paulistanos. E isso termina numa grande festa no Pateo do Collegio.

FESTA NO PATEO DO COLLEGIO

Você que é um cidadão paulistano venha comemorar conosco na sexta-feira, 25 de janeiro, no Pateo do Collegio, às 9h30, os 459 anos de São Paulo. Além da música ao vivo com Demônios da Garoa, teremos bate papo, passeio literário, feira de troca de livros, fotografias de presente e muito mais. A âncora Fabíola Cidral receberá os idealizadores da Bicicloteca Robson Mendonça e Lincoln Paiva, o pessoal do Vídeo Guerrilha e os comentaristas Mário Sérgio Cortella e Gilberto Dimenstein. Confira abaixo as atrações:

SORRIA SÃO PAULO

Para entrar basta um sorriso. O movimento Sorria São Paulo estará lá para fotografar os ouvintes. Todos vão receber na hora suas fotos num cartão postal de presente. E à noite essas imagens serão projetadas nos prédios históricos da cidade em mais uma ação do Vídeo Guerrilha. Quem quiser poderá mandar as fotos também pelas redes sociais com a #sorriasaopaulo

BICICLOTECA

São Paulo ganhará mais quatro biciclotecas para o projeto do ex-morador de rua Robson Mendonça. A doação será feita durante o programa pelo Instituto Mobilidade Verde, idealizador da bicicloteca em parceria com o Robson. Em 2012, a Bicicloteca emprestou 104 mil livros na cidade. Cerca de 60% para pessoas em situação de rua, 20% para estudantes e 20% para a comunidade local

DOAÇÃO DE LIVROS

Para encher as novas biciclotecas de livros contaremos com a ajuda dos ouvintes. Leve um livro para ser doado para o projeto. Se você gostar de algum livro, poderá também participar da feira de trocas.

PASSEIO LITERÁRIO

Às 12h, após o término do CBN São Paulo, o Instituto Mobilidade Verde fará um passeio literário pelo centro com 50 ouvintes. (As inscrições serão feitas no local por ordem de chegada). O passeio litérário  é um resgate da história de grandes escritores brasileiros  que tinham como cenário o centro de São Paulo. Entre eles Monteiro Lobato, Álvares de Azevedo, Oswald de Andrade, Mario de Andrade, Rui Barbosa e outros. O passeio com duração de 1h30 passará por locais onde esses escritores viveram, produziram e morreram. Ao longo da caminhada algumas leituras de obras e poesias.

SERVIÇO

CBN São Paulo especial Eu sou Cidadão Paulistano!

Dia 25 de janeiro, sexta-feira, das 9h30 às 12h

Pateo do Collegio – Praça Pateo do Collegio, 2, centro.

Como chegar? http://www.pateocollegio.com.br/newsite/conteudo.asp?i=i1&pag_id=48
Leia mais: http://cbn.globoradio.globo.com/institucional/eventos/2013/01/11/EU-SOU-CIDADAO-PAULISTANO-CBN-SAO-PAULO-ESPECIAL-NO-ANIVERSARIO-DA-CIDADE.htm#ixzz2Hz3hC5zi

Que cidade você quer viver?

Projeto Cidade que Queremos
Parceria entre a Virada Sustentável,  SESC e o instituto Mobilidade Verde
Expedições Urbanas + Jornadas de aprendizagem
02 e 03 de Junho de 2012
SESC Bom Retiro das 10 as 13hs
SESC Pinheiros das 10 as 13 hs
Grátis

O que é?

O projeto  “Cidade que queremos”  incentiva passeios ao ar  livre, que ajudam a colocar as pessoas em contato com seu ambiente urbano e com a comunidade do seu bairro com o objetivo de preencher as  lacunas sociais e geográficas criando  espaços para as cidades  descobrir-se.

Todos os passeios do Projeto são realizados de forma gratuita e são liderados por alguém que tenha interesse nos bairros onde vivem, trabalham ou freqüentam. O objetivo é oferecer uma visão mais pessoal sobre a cultura local, a história social e as questões de planejamento e mobilidade urbana enfrentado pelos moradores. Jane Jacobs acreditava firmemente que a comunidade local  entendia  melhor como funciona seu bairro, e o que era necessário para fortalecê-los e melhorá-los. A ideia é oferecer passeios  divertidos, engajados e participativos – todo mundo tem uma história e geralmente  as pessoas são ansiosas para compartilhá-las com outras pessoas.

As cidades são complicadas e resistentes a soluções fáceis, “O Ser humano é em si difícil, e, portanto, todos os tipos de assentamentos (exceto cidades sonho) têm problemas. Cidades grandes têm dificuldades em abundância, porque elas têm  pessoas em abundância. Mas as cidades  não são tão impotentes ao ponto de não saberem combater até mesmo os problemas mais difíceis. “

Sesc Bom Retiro
Agenda do dia 02/06/2012
-das 10h as 13:00h
Alameda Nothmann, 185. Bom Retiro, São Paulo CEP: 01216-000 –
Telefone: 3332-3600

Localizado na zona central da cidade, a região em que se ergue o SESC Bom Retiro tem como maior marca a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, que separa os bairros de Bom Retiro e Campos Elísios, antes formados por chácaras e casas de veraneio da população abastada da capital. O Bom Retiro, nome atribuído ao local pela função que tinha de receber os imigrantes que lá chegavam por via férrea vindos de Santos, foi se transformando, sem, no entanto, ter perdido algumas características originais.

Tem sido local de chegada e residência de diferentes grupos e mantém, até hoje, a capacidade de acomodar os imigrantes. Assim, italianos, judeus e gregos, chineses, bolivianos e coreanos imprimiram à região a característica industrial-mercantil na área da tecelagem. Ali se encontram também diversas instituições culturais, como a Pinacoteca, a Estação Pinacoteca, a Sala São Paulo, as Oficinas Culturais do Estado, Museu de Arte Sacra, Museu da Língua Portuguesa, o Museu da Energia, e educacionais como o Liceu de Artes e Ofícios, Colégio Dom Bosco, Liceu Coração de Jesus e a Faculdade de Tecnologia, entre outros, que são exemplos de instituições de ensino tradicionais do bairro e com reconhecimento em todo o país.

Atividade Cidade que Queremos
– 10:00 horas no Sesc Bom Retiro
– Assistiremos um filme sobre o Bom Retiro e uma introdução sobre o bairro com o Historiador

 Grupos Temáticos
–       Faremos a divisão dos grupos por temas que serão definidos na hora ( Desenvolvimento Urbano, imigração, cultura, mobilidade urbana, verticalização, economia, ocupação do solo, população de rua…)

Mapeamento Coletivo:
mapasColetivos é um projeto sobre qualidade de vida na cidade de São Paulo. Junta cartografia digital, compartilhamento de dados e jornalismo-cidadão.
Qualquer pessoa poderá colaborar no Mapa Coletivo Cicades que Queremos, e também colaborar nos mapeamentos existentes . A plataforma pode ser usada na internet e e nos celulares. mapasColetivos é um espaço para reportar os temas importantes para a sustentabilidade urbana. Áreas Verdes, Mobilidade Urbana, Qualidade do Ar, Água, Acessibidade, Arte e Cultura, Arquitetura e Urbanismo, Educação, Alimentação, Lixo e Reciclagem são temas de nosso projeto.

Ao criar seus mapas você colabora para um retrato mais amplo da cidade de São Paulo. Todos os relatos criados no seu mapa coletivo formam camadas de informação que são dinamicamente atualizadas na página inicial. E também formam sua geografia pessoal, sua atuação no mapasColetivos. As narrativas feitas a partir dos dados mapeados buscam analisar dados, ampliar debate e evidenciar soluções. Todos somos mapeadores e repórteres. O principal conceito é promover o mapeamento coletivo como forma de engajamento dos cidadãos na arena pública.

Queremos proporcionar acesso livre e de qualidade a dados cruciais para os cidadãos.

Lei da calçada começa a multar dia 09/01- Ajude a melhorar a sua cidade, denuncie

Segundo o vereador Domingos Dissei (autor da lei)  em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, 45% das pessoas com mais de 60 anos que fraturam o quadril em acidentes nas calçadas impróprias morrem depois de um ano.

Grande parte das calçadas são ocupadas ilegalmente ou abandonadas a sua própria sorte por falta de uma legislação mais dura e de fiscalização. Mas agora esse problema tem data para acabar:  segunda-feira dia 09/01/2012. Obviamente que não precisamos depender apenas dos fiscais da prefeitura, você pode denunciar, pode enviar fotos que publicamos aqui e ficaremos de olho da prefeitura.

Nova lei elimina “segunda chance” de regularização para o morador de casas residenciais, condomínios ou  comércio que insistirem  na má conservação, limpeza e buracos de seus imóveis, o  prazo de 30 dias para regularizar as infrações deixa de existir. A fiscalização aplicará multa de R$ 300,00 o metro linear de fachada na hora. Por exemplo: um buraco na calçada em frente a um imóvel com  5 mts de fachada vai pagar R$ 1.500,00 de multa ou seja  R$ 300,00 X 5 mts de fachada.

O espaço na calçada para  pedestre,  deverá ser no mínimo de 1,20 mts, também serão multados os Mobiliários Urbanos “ilegais” e também os “legais” que prejudicam a passagem e a visibilidade.

Todos os bares, restaurantes que não respeitarem a nova lei da calçada serão multadas na hora.

Quem vai aplicar a nova lei será os fiscais da coordenação da subprefeituras, a partir de segunda-feira os imóveis infratores receberão multas, você pode enviar fotos com endereço das calçadas em má condições  que publicaremos no nosso blog, nossos voluntários também estarão nas ruas para denuniciar estes infratores, ajude  a ter a cidade que você quer.

Você pode denunciar ligando para 156

ENDEREÇO DA SECRETARIA DA COOREDENAÇAO DAS SUBPREFEITURAS : Rua Líbero Badaró, 425, Telefone: (11) 3101-5050

EQUIPE DA SECRETARIA

Secretário Adjunto
Eugênio Pavicic

Chefe de Gabinete
Manoel Victor de Azevedo Neto

Assessoria Técnica de Obras e Serviços – ATOS
Marcelo Bruni

Supervisão Geral de Uso e Ocupação de Solo – SGUOS
Alfonso Orlandi Neto

Programa de Silêncio Urbano – PSIU
Wanderley Pereira

Assessoria Técnica de Assuntos Jurídicos – ATAJ
Fabiola Leite Orlandelli

Coordenação Geral de Licitações – COGEL
Makarius Sepetaukas

Assessoria Técnica de Assuntos Econômicos e Financeiros – ATAEF
Flávio Aurélio Lantelme

Unidade de Comunicação – UNICOM
José Renato Guimarães

Supervisão Geral de Recursos Humanos – SGRH
Maria do Carmo Cesar Pires

Assessoria Técnica de Sistemas de Informática – ATSI
Bernardo Manuel Veiga

Unidade Central de Apoio e Logística – UNILOG
Iara Lobão Migliori

Assessoria Técnica de Planejamento – ATPLAN
Andréia Cardoso

Expediente – EXP
Lilian Ganhito da Silva Xavier

Centro de Controle Operacional Integrado – CCOI
Oswaldo da Silva Filho

Supervisão Geral de Abastecimento – ABAST
José Roberto Graziano

Superintendência de Usina de Asfalto – SPUA
Abilio José Mendes Gomes

Assessoria de Imprensa
Daniela Mangini

 

Dia 12 de outubro é o dia das crianças, será que elas vivem nos bairros que elas querem?

Independente se o bairro é classe média, Alta ou baixa, criança é criança e precisa de espaços de convivência para o seu desenvolvimento. Os bairros estão cada vez mais impessoais e as comunidades estão cada vez mais dispersas e desarticulizadas, as pessoas estão preocupadas com seus próprios interesses, vivendo em bolhas em nome da segurança… e esquecem de que os bairros precisam ter  vida para que as pessoas possam ter melhor qualidade.

Conversamos com uma criança de 11 anos que mora na zona Oeste da Cidade de São Paulo, o que ela faria se fosse Sub-prefeito do bairro? Ninguém escuta as crianças, já ta na hora não é mesmo?

 

Antigamente era a quantidade de estacionamentos que vendia apartamentos, agora é o transporte coletivo.

Hoje recebi na rua, um folheto na rua vendendo um apartamento na Vila Madalena, cujo empreendimento chama-se Cenário é paradoxal, visto que a Vila Madalena tem se tornado cada vez mais um cenário de mortes por atropelamento, roubos de automóvel, arrastão em restaurantes, sequestro relâmpago e calçadas abandonadas e ruído infernal de dia e de noite. Mas o mais triste é que os bairros estão afastando-se cada vez mais de suas comunidades, condomínios transformando-se em ilhas e crianças cada vez mais reclusas, vivendo em bairros completamente impessoais e nocivo para crianças , sem áreas de convivência e sem amigos e sem segurnaça.

Quer mudar esse cenário? façam alguma coisa pela sua comunidade.

Continuar lendo

Criação do Laboratório Social Cidade Q no M’boi Mirim

Cada bairro tem uma necessidade especial para trabalhar, recebemos o desafio de construir junto com os moradores da região do M’Boi Mirim o projeto Cidade que Queremos. Na região tem dois distritos o Jardim Ângela Já foi considerada pela ONU como a região urbana mais violenta do mundo e o Jardim São Luis. Os dois distritos somam juntos cerca de 600 mil habitantes. Estima-se que 50% dos jovens estejam desempregados. Visitamos as comunidades, conversamos com moradores, subimos morros, encostas e constatamos diversas questões que com o apoio de todos poderemos reverter.

A idéia é apresentar no fórum que será promovido pelo Nucleo Sul 1 da Secretário do Verde e meio Ambiente em novembro uma proposta de construção do Laboratório Social que irá trabalhar com uma equipe de pesquisadores e executivos de empresas, ONGs e comunidade local  produtos e serviços cujo objetivo é transformação social e geração de renda.
Continuar lendo